A gente nas redes

Nossos filhos e o Culto aos Orixás

 

Madrugadas sem dormir e sacrifícios físicos é uma coisa que todo filho de Orixá faz muito, isso é normal e faço com orgulho.  Mas em minha história passei por situações muito humilhantes. Uma vez uma pessoa de cargo que não ia muito com a minha cara viu que tinha tripa de bode para limpar, ela viu que eu tinha feito a unha e disse:  Você vai limpar toda a tripa de bode que tem aí sozinha. Aquele sorrisinho de canto de boca surgiu no rosto dela. Eu era abiã, ia dizer o que? Você não tem noção de como ardeu, pois a manicure tinha arrancado uns bifinhos e quando eu literalmente botei a mão no cocô ardeu muuuuuuito. Foi ótimo para o meu fortalecimento… rs! Nesse dia inclusive descobri que a gente acostuma com tudo na vida, até com cheiro de m....

 

Ouvir que Yawo era igual a cachorro? Normal. Ser chamada de lerda, sem a menor necessidade? Light. Ajoelhar-se na frente da pessoa para tomar a benção e ela não olhar na sua cara e ainda te dar a mão tipo com nojinho? Ver pessoas serem atingidas por um adjá em plena festa no meio do barracão… Iiiiii tem história demais. Agora eu te pergunto: Você acha que eu queria isso para as minhas filhas? De coração? Qual é a mãe e o pai que gostariam de ver os filhos passando por isso? Óbvio que sei que não são todas as casas que esse tipo coisa acontece.

 

Meu coração era travado com relação a isso. No fundo eu rezava para que as minhas filhas não tivessem que entrar para a religião pela necessidade ou pela dor, queria que elas pudessem escolher. E no fundo talvez eu torcesse para que elas não seguissem o meu exemplo. Pois na primeira humilhação que a minha filha passasse, até Exú ia fechar olhos para não ver a minha reação.

 

Independente se você é do Candomblé, da Umbanda ou do Ìsèsè, você já se perguntou quais são os princípios e os exemplos que você dá para os seus filhos ou para a sua família que sabe que você é o vulgo "macumbeiro"? Afinal de contas nós somos rotulados todos como farinha do mesmo saco. Sempre presto atenção na reação facial das pessoas quando digo que sou cultuadora de Orixá. Normalmente elas tem um mini susto facial, tentam disfarçar e desviam os olhos. Naquele momento elas devem estar pensando se você não é capaz de fazer uma macumba para ela, se de fato ela pode confiar em você e fica se perguntando: Será que ela bebe sangue de galinha? Já a gente se acha o próprio Dumbledore do Harry Potter. Estamos muito mais preocupados em ebó, poder e magia do que sermos pessoas melhores  e deixar um legado para os nossos filhos e para o mundo.

 

O que é que a gente faz para mudar isso? Nada. Qual a quantidade de posts no Facebook que você vê tipo assim [Exagerando um pouquinho tá]: "Não mexe comigo que sou filha de Ogum, e ele vai cortar a sua cabeça se você fizer algo comigo" ou " "Sou filho de Xangô e se você for injusto meu pai vai mandar um raio na sua cabeça" Se você riu, sabe que é verdade e é o que mais tem por aí.

 

O evangélico usa a religião dele como um atestado de moralidade, ou seja, se a pessoa é evangélica é uma pessoa íntegra e ética. E nós? Quais é a imagem que passamos para as pessoas que nos conhecem como cultuadores de Orixá?

 

Umas das coisas que mais me encantou no Ìsésé foi a existência de princípios éticos. Hoje é o que eu me desafio a seguir todos os dias, e é o exemplo que dou e que exijo das minhas filhas. Independente da forma como você cultua Orixá, saiba que eles possuem sim princípios. Hoje isso é tão forte em minha vida, que um desejo meu ,não uma obrigação, é que as minhas filhas se casem com pessoas da religião, se isso antes era algo que eu não almejava, hoje desejo que os meus futuros genros sejam iniciados em Ifá e nos Orixás, ou seja, todo aquele cenário de medo das minhas filhas pertencerem a religião acabou e hoje se tornou um acalento pro meu coração elas serem do culto.

 

É comum hoje nas casas de Culto Tradicional Iorubá, existirem uma espécie de catequese para que as crianças. Elas tem o objetivo de auxiliar na formação e construção moral de cada uma delas como indivíduos.

 

Você sabe quais são os princípios? Nós, filhos de Orixá e cultuadores de nossa ancestralidade, nos comprometemos a caminhar nesta vida de acordo com os valores deixados por nossos ancestrais:

 

A Importância à palavra;

 

A Responsabilidade;

 

A Devoção antes do Dever;

 

A Honestidade na vida pública e privada;

 

O esforço contínuo para atingir os nossos objetivos;

 

A ação resultante dos nossos pensamentos, ideias e intenções;

 

A Dedicação e Gratidão ao trabalho;

 

O Empreendedorismo;

 

A importância atribuída ao Coletivo;

 

A supremacia do mais velho, em obediência ao princípio de senioridade ou ancianidade;

 

A prática da Paciência;

 

A prática da Tolerância;

 

A prática da Fidelidade e Lealdade

 

A  Fidelidade à Verdade

 

A Importância do Silêncio

 

A  Humildade

 

A Prática da Polidez

 

A Importância da Sensatez

 

Opor-se a fofoca

 

Opor-se a ironia

 

Opor-se a maldição

 

A importância da Coragem

 

A Prudência

 

A Generosidade

 

A Bondade

 

A Compaixão

 

O Perdão

 

A Gratidão

 

Aqui fica a minha sementinha para você pensar a respeito. Quem sabe em um futuro próximo, podemos nos erguer e nos orgulhar de nossa fé, sem o receio dos rótulos que a sociedade nos impõe. Não vale dizer que você já faz isso, não que não o faça! Digo em assumir isso livremente independente da situação que você está. Seja em uma entrevista de emprego ou conhecendo os pais de seu namorado(a) por exemplo.

 

Vale lembrar sempre que a palavra convence, mas o exemplo arrasta.

 

Ire O

Ifasolá.

 

 

Imagem : Pinterest - Artista não identificado, caso conheça por favor nos avise.


 

Please reload

Posts Recentes

18.04.2019

Please reload